Notícias
  • O que está acontecendo com nossos mares?

      2018-10-22
    Fonte: ALERT: Disseminating cutting-edge environmental research

    Em 2011, as temperaturas submersas subiram dois graus Celsius nas águas do oeste australiano – e assim permaneceram, bem acima do normal, por surpreendentes 10 semanas.

    Essa onda de calor punitiva mudou o ecossistema para sempre.

    Voltando cinco anos depois, os cientistas descobriram que 100 quilômetros de florestas de algas tinham sido destruídas – substituídas por peixes tropicais, subtropicais, algas e corais.

    Eles não esperam que as algas retornem.

    AMEAÇA PROFUNDA

    Agora está claro: a mudança climática está acontecendo tanto abaixo das ondas como acima.

    Shutterstock_ChannelIslandsKelpCalifornia_web.jpg

    Um novo estudo na Nature Communications descobriu que as ondas de calor marítimas têm aumentado acentuadamente no último século.

    Comparando dados de dois períodos – 1925-1954 e 1987-2016 – o estudo descobriu que as ondas de calor aumentaram em 34% na frequência.

    E a duração das ondas de calor (número de dias por ano em que as temperaturas submersas atingiram extremos altos) mais do que duplicou.

    Finalmente, o estudo mostrou que o aquecimento intenso se espalhou geograficamente, estendendo-se por 65% da superfície do oceano.

    NOVO NORMAL?

    Menos de cem anos atrás, era comum que as regiões do mar passassem um ano inteiro sem experimentar uma onda de calor.

    Agora, o oposto é verdadeiro: em qualquer lugar específico, ondas de calor marinhas acontecem a cada ano com mais frequência do que não.

    Isso não é apenas uma má notícia para as florestas de kelp, mas também para muitos outros ecossistemas e espécies, e para as pessoas que dependem dos oceanos para sua subsistência.

    anemone-fish-1496866_1280.jpg

    Talvez de maior preocupação sejam os recifes de coral do mundo – bastiões da biodiversidade, as florestas tropicais do oceano.

    Recifes evoluíram para sobreviver dentro de certas faixas de temperatura. Mas agora, a melhor evidência disponível – baseada em conjuntos de dados massivos e análises publicadas nos mais rigorosos periódicos científicos do mundo – sugere que estamos passando por esses limites térmicos.

    BRANQUEAMENTO DE CORAL

    Quando as águas ao redor dos recifes de coral se tornam muito quentes, os corais expelem suas algas simbióticas (chamadas de “zooxantelas”), que normalmente alimentam o coral através da fotossíntese.

    Com suas algas desaparecidas, o coral se torna branco fantasmagórico – um fenômeno conhecido como “branqueamento de corais”.

    Se a onda de calor persistir por semanas ou meses, os corais e suas algas não podem se recuperar, e os corais e os recifes perecem.

    fish-382487_1280.jpg

    Com uma dose dupla de temperaturas quentes em 2016 e 2017, a Grande Barreira de Corais da Austrália experimentou seu pior branqueamento de corais até hoje.

    Essas ondas de calor foram ligadas diretamente ao aquecimento global, com base em uma bateria exaustiva de análises estatísticas.

    Conclusão: Quase um terço (29%) da Grande Barreira de Corais foi dizimada por superaquecimento apenas nos últimos dois anos.

    GRANDE FALHA POR CONSERVATIVOS POLÍTICOS

    Embora a calamidade na icônica Grande Barreira de Corais tenha sido notícia global, o governo australiano está deixando de proteger seus mares a cada passo.

    A Austrália é, em uma base per capita, entre os piores poluidores de carbono no mundo e também vende grandes quantidades de carvão para a China, Índia e outras grandes nações poluidoras.

    ar-ar-poluição-chaminé-459728.jpg

    Portanto, quando se trata do aquecimento global, a Austrália é parte do problema, não parte da solução.

    Os conservadores políticos que atualmente dirigem a Austrália recebem suas ordens de marcha e a maior parte de suas doações das grandes indústrias de carvão, gás e mineração do país.

    E se ser um dos piores poluidores do mundo não é ruim o suficiente, o governo australiano também recomendou cortar seus santuários marinhos pela metade.

    De fato, se o atual governo de direita conseguir o que quer, 76% do Mar de Coral, lar da Grande Barreira de Corais, será aberto à pesca comercial e de arrasto, práticas que são notoriamente prejudiciais à vida marinha.

    Quanto mais erradas as coisas podem ser?

    UMA MENSAGEM PARA LEMBRAR

    Muitas pessoas no mundo, incluindo cientistas da ALERT, vêem coisas como esta:

    A próxima vez que eles forem ao estande de votação, os australianos precisam lembrar as tendências chocantes e as terríveis advertências reveladas pelos estudos científicos de longo prazo de seus mares e do ambiente global.

    Entre muitas coisas, os australianos são famosos por seus sinceros dizeres: “Faça a coisa certa”.

    O mundo está assistindo, Austrália.

    É hora de fazer a coisa certa.


© SABER GLOBAL - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por SUED Design